quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Masturbem-se miseráveis!

A anunciada série televisiva sobre a vida amorosa e sexual (?) de Salazar merece o meu maior desprezo. Mas, por outro lado, esta série vem demonstrar bem o carácter desta gentalha que hoje governa e se governa em Portugal. Esta gentalha que polula nas televisões e nos jornais. Possivelmente, estes, que agora fazem esta série reles, totalmente especulativa e de mau gosto, sobre a vida de uma das maiores figuras da história recente de Portugal, serão os mesmos que em Santa Combadão fazem manifestações contra a construção de um museu a ele alusivo. Será o contra-ponto ou a desinformação/intoxicação que acharam necessário fazer depois de Salazar ter ganho o programa da RTP sobre a figura mais importante na história de Portugal (com os votos dados pelo povo, ahh, grande povo!)? E, caro Sr. Balsemão, o dinheirito (ou a perspectiva de o amealhar) vale mesmo tudo, hem!? Pois bem, que se masturbem miseráveis, e façam bom proveito! Por muito baixo que vão, a história prevalecerá.

5 comentários:

  1. Olá Diogo,
    Ainda agora falei nesta série, a propósito da publicidade que tem sido feita... o que é que me interessa se o Prof. Oliveira Salazar teve 4, 5, 6, 7 ou 8 mulheres? Para já, não era casado, não devia nada a ninguém, e se elas eram loucas por ele, o que é que o homem podia fazer? Se calhar até as mandou embora ou quiçá elas nem sequer existiram) mas sinceramente não me interessa nada isso, e não altera nada o que o Professor Oliveira Salazar fez por nós...

    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Diogo! Manda imprimir folhetos com o teu Artigo "Masturbem-se Miseraveis!" que eu junto a minha assinatura à tua!

    ResponderEliminar
  3. Nem mais Diogo!!! Vou "roubar" este seu post lá para o burgo! Um abraço

    ResponderEliminar
  4. É o autêntico culto da vida alheia. Só um pequeno reparo, o nome correcto da terra (vizinha minha, por sinal) é Santa Comba Dão, em separado - o Dão é o segundo rio mais importantes para aquelas bandas, a seguir ao Mondego, claro.

    ResponderEliminar